II CONEAB | GRUPO DE TRABALHO 6: Literatura de Autoria Feminina no Contexto da Educação Étnico-Racial

Coordenadores: Adélcio de Sousa Cruz (UFV) e Leni Nobre de Oliveira (CEFET/MG)

Resumo: A partir de 2003, quando se instituiu por lei o ensino da cultura africana e dos afrodescendentes no Brasil, alterando os parâmetros curriculares para a Educação Básica e Superior, muitos foram os ganhos que obtivemos para a elaboração de um conjunto de aparatos para as práticas didáticas orientadas pela Educação Étnico-racial. Considerando a pluralidade e a multiplicidade de culturas que caracterizam o povo brasileiro e suas diversas heranças, várias foram as publicações que se fizeram necessárias e oportunas para o aporte teórico, experimental, didático e paradidático, muitos deles subsidiados pelo governo ou pelos próprios autores. A produção e o reconhecimento de obras literárias de autoria feminina sempre sofreram descaso: foram excluídas do cânone desde sempre e principalmente as de autoria afrodescendente, tendo tais vozes silenciadas. A Lei 10639/2003 e a Lei 11.645/2005 incentivaram, por exemplo, a criação de grupos de estudos e linhas de pesquisa que estudaram a expressão afro-feminina mais a fundo. Neste GT, propomos um debate em torno da edição, publicação, recepção e visibilidade de obras de autoria feminina e sua relação, adequação e aplicação ao contexto da Educação para as relações Étnico-raciais.
Palavras-chave: Escritoras negras; Crítica; Edição; Educação Étnico-racial.


Prof. Dr. Adélcio de Sousa Cruz

Prof. Dr. Adélcio de Sousa Cruz

Professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa (DLA/UFV). Concluiu pós-doutorado no POSLIT/UFMG (2013), é doutor em Literatura Comparada (2009), com a tese “Narrativas conteramporâneas da violência” agraciada com o Prêmio de Teses 2010 conferido à melhor tese do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários e com a Menção Honrosa do Prêmio Capes de Teses. É mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002). Possui experiência na área de Letras, com ênfase em Letras, atuando principalmente nos seguintes segmentos: literatura comparada, literatura afro-brasileira, literatura brasileira, literaturas de língua inglesa, literatura e outras artes (música e teatro), memória cultural, estudos culturais, identidade étnica, história. É pesquisador do NEIA/UFMG (Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade) e do NELAP (Núcleo de Estudos de Letras e Artes Performáticas). (Texto informado pelo autor)


Profª. Drª. Leni Nobre de Oliveira

Profª. Drª. Leni Nobre de Oliveira

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Viçosa (1988), mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001) e doutorado em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006). Atualmente é professora/ ensino médio/língua portuguesa do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Leciona Português Instrumental, Metodologia Científica, Orientação ao TCC 01 e 02 e Estudos das Relações Étnico-raciais para os Cursos de Engenharia de Automação e Engenharia de Minas na mesma Instituição.Tem experiência na área de Letras, com ênfase em formação de professores da área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: vestibular, transdisciplinaridade, interdisciplinaridade, metamatemática, literatura comparada, cultura afrobrasileira, tradição, recorrência e cânone, vestibular, exclusão e descentramento. Atualmente é membro conselheiro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Pós-graduação do Cefet-MG; Membro do NEIA – Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade da UFMG. (Texto informado pelo autor)


Instruções | Inscrição de Comunicação em Grupos de Trabalhos (GTs):

1. A apresentação de comunicação oral em GTs destina-se a doutores, mestres, alunos de pós-graduação (stricto e lato sensu) e graduados (IC/PIBID/PIBEX).
2. Para apresentar uma comunicação em GTs, o participante deverá submeter resumo através do blog do NEAB (http://wp.me/P7D3KY-kR), vinculando-o a um dos GTs propostos. 3. Os resumos serão avaliados pelos coordenadores dos GTs.
4. Cada comunicação terá a duração de 15 minutos.
5. O resumo da comunicação submetido a um dos GTs deverá conter entre 100 a 250 e palavras 3 a 5 palavras-chave (Cf. o modelo).
6. No resumo submetido à avaliação, deverão constar objetivos do trabalho, indicação da fundamentação teórica e metodológica e resultados.
7. As propostas de comunicações deverão ser individuais. (Um trabalho por comunicador); os trabalhos que tiverem coautor, este também deverá estar inscrito no Congresso.

Anúncios
Esse post foi publicado em Últimas Notícias. Bookmark o link permanente.